22 de jun de 2004

É uma Piada

Quando eu era pequena ficava imaginando de onde vinham as piadas.
Passava tarde tentando inventar uma. Escrevia, desenhava esquemas, mas nada ficava bom.
Cheguei a inventar uma de um marinheiro que ao invés de gritar "mayday" para pedir socorro ficava gritando "peidei, peidei". Mas nunca consegui dar um desfecho para essa história.
Devia ter uns 9 anos. Alguém me deu um livro. Não me lembro quem: As melhores piadas do Agildo Ribeiro. Era repleto de palavrões, piadas chulas, pornográficas, escatológicas. Eu achava o máximo. Ria sozinha. Mas sou uma péssima contadora de piadas. Algumas eu até me viro, fica engraçadinho...mas nada espetacular.

Vou contar uma que tinha naquele livro. Eu achava muito boa.

Um rapaz muito boa pinta e bastante sacana, estava em um baile. Olhando para as mesas viu uma linda garota, com longos cabelos pretos, olhos verdes e boca carnuda. Ela estava sentada com a mãe.
O rapaz se apriximou de mesa.
-Com licença. Desculpe incomodá-la, mas a vi aqui sentada e gostaria que dançasse comigo.
A moça, um pouco envergonhada diz:
-Desculpe mas...eu não possuo pernas. Não posso me levantar.
O rapaz ficou assustado. Como uma mulher poderia ser tão linda, mas sem pernas?
Ele não resistiu a beleza da garota. Sentou-se na mesa e ficou horas conversando com ela. A moça era encantadora. Em determinda hora a mãe dela se levanta:
-Olha, eu vou embora. Pode deixar minha filha em casa? Você me parece um rapaz educado, confio em você. Boa noite querida!
-Boa noite mamãe!
O casal ficou mais algumas horas conversando. Mais tarde o rapaz levou a garota embora.
Quando chegaram na porta da casa dela, ele a pegou no colo. Mas no meio do caminho não resistiu. Passou com a moça embaixo de uma árvore, ela segurou nos galhos. Ali mesmo ele a beijou, e depois de amassos e mais amassos, acabou comendo a mocinha.
Colocou o vestido de volta na perneta, e a levou para casa. A mãe da garota abriu a porta.
-Ah eu sabia que você era um bom garoto!
O rapaz, constrangido e envergonhado do que tinha acabado de fazer acabou confessando:
-Me desculpe senhora. Eu não presto. Acabei de comer sua filha ali, pendurada naquela árvore! Sou um maldito, um imbecil!
A mãe solta um largo sorriso:
-Imagine filho. Você pelo menos a trouxe até a porta. A maioria dos rapazes deixa minha filha pendurada ali na árvore pelada mesmo.


SAUDADES DO COSTINHAAAA!

Eh isso aí.
Até mais.