14 de jan de 2005

Gambling, gambling, gambling...

Não estou mais desempregada. Depois de uma semana na inutilidade (o que estava me fazendo até bem)e mesmo depois de eu fazer uma preparação especial para me sentar no sofá de casa e não mexer nada além dos meus dedos sobre o controle remoto ou o joystick do Play 2, eu consegui encontrar uma fonte de renda.
Incrível como o fato de "estar inútil" preocupa a gente, mas o fato de "estar útil" também.

Portanto, a preocupação é algo inerente ao fato do planeta estar girando.

***

Uma das coisas que me irrita nesta cidade é o pavor de se ter um som no carro. Eu não tenho. Mas sinto falta, fico cantando, batendo as mãos no volante, fazendo "pá..rá p´raaa..papapapá...rapápá...láláaaa" e imaginando que deve ser bom dirigir ouvindo música. Mas não coloco som no meu carro pelo simples fato de não querer ser assaltada. Que quebrem o vidro, entortem a porta e ainda roubem meu aparelho. É prejuízo atrás de prejuízo.

Falando em som de carro, depois que publicaram uma pesquisa por aí, sabe-se que: o que você ouve influencia o modo com o qual você dirige. E li também que não é bom ouvir a ópera Carmina Burana ao volante. Porquê? Oras, porque você corre o risco de destroçar seu veículo em um acidente terrível.

Não quer bater nunca? Ouça Bach enquanto dá o seu "pilote". É garantia de segurança. Saiu na pesquisa!Outra coisa importante que li é que carros prateados batem menos do que os de outras cores.

PORTANTO:
Carro Prata + Bach= Segurança no trânsito

Carro Verde + Carl Orff= Sangue em seu pára choque

O meu carro é prata. Ainda tenho 50% de chance em manter um bom índice de manobras seguras. Continuarei com o meu "pá..para...parararararaaaa" como seleção musical dentro do veículo. Será que causa mais acidentes?

Preciso pesquisar em alguma pesquisa.

Até mais.