26 de fev de 2005

Não me leve a sério
O mundo politicamente correto é chato

(texto que escrevi para minha coluna na revista paradoxo)

Você já encontrou alguém que respeitasse a todos? Alguém que tivesse o coração puro e singelo, e nunca, e eu digo nunca, aceitasse que falem algo que possa ser ofensivo a outros?
Bom, esses são os politicamente corretos. De onde vem o termo? Porque é politicamente e não insuportavelmente correto hein?

Eu pessoalmente tenho minhas críticas. Ferrenhas ou não, elas estão na minha cabeça e regem minha forma de reconhecer o que gosto e o que eu não aceito. E sim, faço piada daquilo que considero ridículo. São várias coisas, que não cabe a mim revelar aqui exatamente o quê, mas dá pra ter uma idéia (se você ler meus textos passados é capaz de entender).

Não respeito algumas coisas, e demonstro isso com muita veemência. E digo veemência que implica uma grande carga de tons sarcásticos e maldosos, porque não? A vida deve ter senso de humor, e em sua estrada, algumas pedras, que a gente pega e joga na cabeça dos outros. Se fossem somente lindas flores pelo caminho, não teria graça nenhuma.

Ser bonzinho com todos o tempo todo não garante um espaço no céu. Eu tenho certeza. O mais engraçado é que os politicamente corretos não suportam aqueles que expõem suas idéias de forma não tão delicada. E insistem em justificar sua mente “aberta a tudo” e o respeito à identidade alheia. Realmente não tenho paciência para nada disso.

A grande sacada da vida é perceber que muitas coisas podem e devem, ser vistas como piada. Situações e pessoas envolvidas nelas merecem nossa análise e exposição de pontos de vista. Não digo baboseiras sem nexo e simplesmente falar mal por falar. A graça está em ter embasamento. Os ignorantes são os politicamente corretos, que na minha opinião, são como grandes livros sem palavras, apenas imagens vazias de belas paisagens. Sempre muito chatos.