29 de out de 2005

The Girlie Show

Confesso que nessa vida nunca tive paciência para conversar com mulheres. Não tive muitas amigas mulheres depois da adolescência. O fato é que me sinto estranha perto delas. Minha ex-psicóloga (que eu deixei de frequentar assim que vi o carro todo dela adornado com adesivos do PT durante a campanha presidencial) dizia que isso era perigoso. Mas existem coisas, que mulheres conversam somente entre mulheres, que me irritam profundamente. E que me fazem ter vontade de enfiar a cabeça embaixo da mesa e conversar com meu pé. Mesmo.

Primeiro é quando elas começam a falar que estão gordas. Tá eu sei, nenhuma mocinha gosta de ficar gorda, nhé nhé nhé, mas me irrita. Não quero saber. As moçoilas olham pra mim "oh como você está magra!" ou "oh você engordou!". Realmente não quero saber. Sou a típica que passa na frente da balança e nem se importa pra que serve aquilo. Só olho em balanças no restaurante por quilo pra saber quanto vou pagar. Odeio falar de dietas, pois nunca fiz uma. Minha única experiência de mudança de hábitos alimentares foi ter passado uma semana comendo miojo por falta de tempo pra cozinhar e chegar da faculdade vesga de fome. Quando uma mulher tenta a me convencer "vamos fazer academia juntas?". Não. Não vou fazer academia porque odeio. Só existem duas coisas nesse mundo pelas quais eu fico suada: Uma delas é me acabar na pista de dança, e a outra, bah, usem a imaginação maliciosamente.

Então começam a falar de cabelo. Cabelo. Cabelo. Cabelo. Tá, perder 10 minutos falando de cabelos, vá lá, agora passar horas falando disso... Lá vou eu conversar com meu pé de novo. Eu sempre mudo meu cabelo, a cada 2 ou 3 meses ele está de outra cor, com outro corte...Sou vaidosa como toda mulherzinha que se preze deve ser. Mas não discuto sobre assuntos capilares. Nem com cabelereiro. Eles me perguntam "bem, o que você quer fazer hoje?". Eu digo," corta curto, inventa uma coisa "mudérna" aí". Às vezes fica uma caca, mas não me importo, cabelo cresce.

Assuntos estéticos em geral: depilar, cor de esmalte, maquiagem da estação, cremes, perfumes, roupas... nhé nhé nhé. Bom eu uso maquiagem até pra ir na padaria, tenho 300 cremes na pia do banheiro, vou à manicure toda semana. Sou mulé mesmo. Mas abordar o tema profundamente... Eu até converso, dou dicas de alguma coisa que eu acho bacana, mas não relevo. O assunto mais estranho dentro do campo: Depilação. Eu não gosto de cera quente, e muitas mulheres arregalam os olhos "O quê você faz? Raspa? Não podeee". Pode sim, eu uso gilete. Lógico que compro a giletinha for women, aquelas cor-de-rosa com fitas de aloe vera. Gilete feminina oras! Cera quente é tortura, provação, principalmente no que diz respeito à suas partes "baixas". Aposto que no inferno existe uma sala de tortura chamada "Depilação de Virilha: Cera Fervente. Pague por seus pecados!". Bom, se for assim, eu deixo pra depilar quando estiver na terra do enxofre.

E o pior assunto, que é até divertido, mas depois acaba ficando um pé no saco: Falar mal de homem. E falar de homem em geral. O assunto pode ser bacana, pode-se ter uma conversa decente sobre isso, mas eu evito. Evito porque muitas mulheres acabam caindo em conceitos idiotas, carentes, babões. Homem não presta, homem é tudo cachorro, egoísta, safado, ordinário! Bom, homens poder ser tudo isso, mas mulheres também podem. E mulheres podem ser idiotas, caírem no golpe "balada-foda casual-eu te ligo" e nunca receberem a ligação, e depois saem berrando pelo mundo o quanto eles são vagabundos. Existem homens imbecis, claro. Mas existem homens legais. E existem homens legais que não gostaram de você. Um homem não é sacana porque ele não te ligou de volta. Ele só não estava afim de nada. Assim como muita mulher sai com um cara e depois dispensa. Não atende o celular, foge dele nas festas... É tão maldoso assim? Não, não é. Todo mundo tem o direito de ser sacana quando necessário. E se dar ao direito de simplesmenta não estar afim.

At last, but not least: Sexo. Divertidíssimo falar sobre isso não é? Não. Com várias mulheres pode ser complicado. Porque nesse assunto, cada uma tem uma idéia do que é sexo. Tem mulher frígida, conservadora, pseudo- vagabunda, vagabunda mesmo, liberal, ultra romântica... E geralmente eu não sei lidar com cada uma delas. Ou fico constrangida de falar com a conservadora ou mais constrangida por falar com a mega liberal. Mas tem um porém: Quando estão bêbadas (e viva as mulheres que bebem) aí o assunto descamba pra palhaçada geral e pode ficar engraçadíssimo. Mas só vale para certos momentos. Se tem uma coisa que eu não suporto é mulher falando de piroca o tempo todo. Cansa. E acaba perdendo a graça.

O fato é que eu sou seletiva para ter amigas. Hoje em dia, eu sou. Tenho dificuldade com isso, admito. Nós mulheres somos bichos estranhos, e que pensam demais em muitas coisas que às vezes deveriam ser mais simples. Eu creio que os homens, quando não concordam com um amigo, não deixam de gostar dele. Já as mulheres, se você discorda muito delas, elas acabam ficando putas e dizendo "você não me entende!". E como eu geralmente discordo de muita coisa, prefiro não dizer o que penso. Só quando me pedem. Tenho amigas sim, gosto delas, e falo de assuntos bobos, lógico. Só não exagero na dose do "clichê feminino". Porque aí, é foda. Eu prefiro conversar com meu pé...