12 de dez de 2005

See no evil, hear no evil

É com imensa tristeza que venho comunicar aqui a morte de um de meus "favoritos" da comédia mundial. Ontem, faleceu ao 67 anos, Richard Pryor.
Quem não se lembra desse cara? Influência mundial para stand-up comedy, Richard lidava com assuntos que iam da pobreza e ignorância do negro dentro do sistema americano como a imbecilidade dos brancos. E da forma mais hilária que alguém poderia fazer.
Minha principal lembrança de como o conheci foi assistindo um filme com Gene Wilder, onde Pryor é cego e Wilder surdo. Uma comédia sensacional (a crítica não gostou muito), como só esses dois dementes poderiam fazer. Depois assisti uma série de filmes só por causa dele. E procurei álbuns seus para baixar na internet. Isso mesmo, as apresentações dele podem ser encontradas pela net, é só ouvir e se matar de tanto rir. É preciso entender inglês obviamente...
Ele abriu as portas para comediantes negros, influenciou Eddie Murphy (sim, eu adoro Eddie, ele realmente pode ser engraçado. Em Saturday Night Live esteve fantástico) e Chris Rock (que apresentou o Oscar esse últimos anos, apesar de parecer bobo, sua stand-up é perfeita).

Richard Pryor sofreu muito quando saiu dos palcos e foi para a mídia. Já não podia ser tão ácido, e isso compreometia sua vontade de trabalhar. Chegou a ser comparado com Mark Twain. Claro, se Mark Twain chamasse todo mundo de "motherfucker".


Deixo aqui minha tristeza, e uma frase célebre de Pryor :

"Comedy rules! Don't let anybody tell you otherwise, and there are no rules in stand-up comedy, which I really like. You can do anything you want and you can say anything that comes to mind - just so long as it's funny. If you ain't funny then get the fuck off the stage, it's that simple."