2 de out de 2006

From here to there

E ontem fui com meu homem ao Playcenter. Não fui por livre e espontânea vontade, fui como objeto de pesquisa. (Esse papel já me garantiu ver um décimo do Show da Marisa Monte e comer testículos de galo, coisas igualmente desagradáveis)

Uma coisa: O mundo está perdido. Ou eu estou velha e decadente, incapaz de compreender a juventude. O playcenter está tomado por pessoas na faixa dos 16 anos. E eu devo admitir: não sei que porra anda se passando pela cabeça destas pessoas, mas suponho que seja uma grande quantidade de matéria fecal.

Quando eu tinha 16 anos ouvia Prodigy e Massive Attack, lia livros (nem sempre bons) e apesar de estar em 1997, acho já sabia me vestir. Lógico que fazia coisas idiotas, mas necessárias para contar para meus filhos.

Este povo "jóvi" anda em tribos. Tem a tribo das cachorras, dos manos, dos gays, das lésbicas, dos emos, dos clubbers. Tudo bem, normal, é a adolescência. Agora, ser débil mental não implica sua fase de desenvolvimento. Honestamente, a juventude hoje parece carecer de qualquer tipo de bom-senso.

A juventude é necessária, é bacana, traz coisas novas, é criativa, lança tendências. Mas não a juventude de hoje. A molecada está muito afobada com as coisas erradas. Parece que não quer pensar. Só quer viver. Um jovem pode ser uma massa disforme, mas eventualmente precisa tomar forma de alguma coisa. E que não seja a forma de um boçal.

Ontem, enquanto estava em uma fila demorada para passar 17 segundos em uma montanha-russa, havia uma grande concentração de molecada. Sei que o playcenter é um parque frequentado por pessoas, ahm, cofcof, ahmnh, de classes sociais desfavorecidas (financeira e intelectualmente), mas...

Haviam meninas berrando "rôla, rôla, rôla, a gente quer é rôla" ali. Na fila. Depois começaram a ameaçar tirar a roupa. E tiraram. Eu não vi, mas pela empolgação dos "manos" em volta, ficou meio que evidente.

Desagradável. Fiquei frustrada.

*******

E lá vamos nós para o segundo turno. Mal pude conter minha alegria - assim como a jornalista da Rede Cultura ao anunciar a notícia - perceber que novamente o brasileiro se dá conta, na última hora, que o Lula "pode ser mais idiota do que eu pensava".

Agradeço aos que votaram no Alck Maravilha. Não que eu realmente ache o careca algo excepcional, mas, não posso deixar o Lula sentado lá comendo linguiça e ferrando o país. O Brasil não pode mais se dar ao luxo de perdoar o PT.