13 de nov de 2006

Tenha Dó

Vá lá:

Eu sou uma mulher branca (??), cresci em uma família de classe média-alta. Fiz faculdade, falo inglês fluente, conheço outros países. Tenho (ou tinha?) um Palio ELX 99.

Se eu dirigir sem minha carteira de habilitação, e for pega em alta velocidade por uma blitz, sou multada e tenho meu carro recolhido pelo Detran, o qual haverei de pagar uma multa, para retirar de volta meu veículo dos pátios do órgão público. Está na legislação, e eu aceito porque é minha obrigação como cidadã. Aprendi tudo isso quando tirei a minha habilitação, a qual paguei e reprovei uma vez durante a prova de garagem de ré. Fiz de novo, e desde então, sou uma feliz motorista habilitada.

Ela é uma mulher "favelada", semi-analfabeta, criada no morro. Mal fala português, mas por ser "feia mas estar na moda", visitou outros países "cantando". Tem um Xsara Picasso Vermelho 2006.

Se ela é pega pela polícia, dirigindo sem habilitação, em alta velocidade, porque nem sequer possui uma carteira demotorista ou seja, ela não foi liberada para dirigir por nenhum órgão responsável, e provavelmente desconhece leis ou regras de trânsito ela se sente no direito de dar a seguinte declaração sobre os policiais, que corretamente exerciam seu trabalho:

"Fui levada à delegacia porque eu sou uma cidadã favelada. Meu carro foi rebocado, mas já amanhã mesmo vou tomar as providências para pegar de volta. Se eu quisesse ir embora, dava qualquer R$ 10 para eles. São todos mortos de fome, mesmo"

Não pobre e favelada amiga . A senhorita foi levada à delegacia PORQUE COMETEU UM CRIME. Sim, "bunita". Dirigir sem habilitação é crime grave. Mas acho que você é favelada demais para entender as leis do país. É favelada demais para ter bom-senso. É favelada demais para se colocar na condição de responsável.

Sabe, favelados, portanto, não são indivíduos. Antes de ser cidadãos meus amigos, eles são FAVELADOS.E se colocam frente à lei argumentando que "vim do morro, sou oprimido".

É desta visãozinha distorcida que nós aqui temos que aceitar a boçalidade do povo brasileiro, passar a mão na cabeça do dito "pobre coitado" e dizer:

"Ah tudo bem vai, ele é um favelado".

Palmas para Tati Quebra Barraco, a favelada: