19 de dez de 2006

De tudo que já não é mais


Estava lá eu hoje, em um movimentado Shopping de São Paulo. Não gosto muito de shopping, muito menos em época de Natal. Mas vá lá, qualquer coisa é válida para sair da rotina na hora do almoço.

Enquanto eu passeava (rapidamente para voltar no horário) observando as vitrines de sapatos, me dei conta de uma coisa: Me lembrei de que nesta época era comum ouvir o tempo todo nos shoppings uma voz anunciando nos alto-falantes 'Sílvia, mãe do garoto Matheus, favor comparecer ao balcão de informações, seu filho está à sua espera" "Carlos, sua esposa Ana o aguarda no balcão de informações". Como era comum ficar perdido pelos intermináveis corredores cheios de gente. Com o celular, isso acabou.



Outro dia estava nas Lojas Americanas e meu namorado se desprendeu de mim. Um minuto depois meu celular tocava. Era ele: "Ei onde você está? Eu estou aqui do lado da montanha de bonecas Rebeldes..." São os tempos modernos meu amigo. Ninguém mais se perde ou fica deslocado durante as muvucas de fim-de-ano.