4 de out de 2007

A voz do Brasil

O Brasil tem várias vozes. Chamo de vozes aquilo que consideramos brasileiro. O que falam que você deve gostar deliberadamente para ser brasileiro. Eu me sinto brasileira, mas muitos não me vêem assim, já que não gosto de caipirinha, de carnaval e da tal "cultura" que querem me enfiar goela abaixo. A cultura brasileira se perde nos estereótipos, no que é natural, da terra, do povo. O cru e mal-cozido. Essa visão empobrece o que entendemos por cultura.

Eu, estranhamente, gosto de ópera. Não sou exímia conhecedora, mas gosto das divas e quando criança, ouvia "Carmen" até cansar. A ópera não é coisa "dazelite", ela pode ser compreendida facilmente. É uma história, geralmente dramática, onde as pessoas interpretam com suas vozes, os sentimentos. Você não vê uma "gorda berrando". Você ouve a voz da personagem e sente o que ela é ali no momento. Uma viúva sofrida, uma cigana apaixonada. É a voz que me leva longe. Eu gosto, e muito.

Nasceu no Brasil, em 1902, uma mulher que se tornaria uma das maiores vozes líricas de todos os tempos. Seu nome era Bidu Sayão. Nascida no Rio de Janeiro, Balduína (seu nome verdadeiro) era orfã de pai. Seu sonho era ser atriz, mas como isso não pegava bem na época, estudou canto e logo se destacou. Foi estudar na Romenia e logo começou a se apresentar pelo mundo todo. Seu talento era tão reconhecido que foi a principal estrela do famoso Metropolitan Opera de Nova York, durante quinze anos. Se aposentou oficialmente dos palcos em 1952, aos 50 anos.

Bidu morreu em 1999.

A única "grande" homenagem que recebeu do Brasil, ainda em vida, foi um desfile de Carnaval no Rio em 1995.
Em 2000, depois de sua morte, foi instituído um prêmio com seu nome para os futuros talentos da ópera brasileira (que não são muitos).

Ela não era muito querida aqui pois dizia preferir se apresentar onde o trabalho dela fosse admirado. Dizia que no Brasil, a ópera nunca ganhava patrocínio ou reconhecimento. Naturalizou-se norte-americana em 1959, e visitou o Brasil pouquíssimas vezes. Morreu no Maine. Suas cinzas foram espalhadas perto da casa onde morava.

Talvez não reconheçam Bidu porque ela cantou óperas de Debussy e não marchinhas de Carnaval. Talvez quase ninguém saiba que ela existiu, porque suas músicas não tocam em elevador, como a Bossa Nova. Talvez não lembrem desta grande artista porque ela nunca
disse que este era o melhor lugar do mundo para se cantar.

O artigo sobre Ivete Sangalo na Wikipédia, é bem maior do que o de Bidu.


PS: Eu gosto de ópera mas ouço Rolling Stones. Não é gosto musical que estou criticando. Critico a falta de atenção que as coisas recebem aqui, trocadas por outras muito mais "mastigáveis".