22 de jan de 2009

Meu próprio Niko Bellic

Eu estava sentada na sala e meu irmão jogava GTA4 no Xbox. Desde que vi o jogo pela primeira vez notei uma incrível semelhança entre o personagem principal Niko Bellic e meu avô paterno, o "vô" Miguel.

Vovô?

Se você joga videogames até hoje sabe quem é Niko Bellic e GTA4. Se não sabe, entenda que Grand Theft Auto é um dos maiores fenômenos da indústria de games há anos. Não vou explicar do que se trata, existem centenas de sites de games que explicariam com riqueza de detalhes.

O fato é que até as roupas são iguais as que meu avô usava, a barba por fazer, casacos de nylon, blusões de lã com cores horríveis e até o modelo de óculos quadrado idêntico ao do Miguel. Meu irmão também já havia notado a semelhança. Tanto que chamamos o Niko de Miguel por brincadeira. Meu avô não andava com uma pistola semi-automática explodindo postos de gasolina como o Niko, é verdade.

Não tive a oportunidade de conhecer meu avô muito bem. Por motivos de estranhamento familiar mútuo, pouco convivi com meus avôs e não lembro bem deles, só durante minha infância. Mas meu avô paterno até hoje resguarda em minha memória uma aura "caminhoneiro casca dura" que não consigo desvencilhar nunca.

Miguel ToyArt

Ele tinha manias engraçadas e um jeito "macho ao extremo". Isso podia ser ruim para a família dele, não sei ao certo deste passado. O que tenho gravado é uma caricatura de um caminhoneiro que comia cebola crua como quem come maçãs, quebrava nozes com os punhos no Natal para os netos ficarem extasiados - o super avô maluco com um bíceps maior que o de qualquer jovem da família. Ele arremessava os netos para o alto, "brincava" de queda de braço. Meu avô era o "Falcão" com um boné da Volvo.

Não tenho fotos escaneadas dele ainda, mas tenho uma da mão dele dando cerveja pro meu irmão em 1980. Ali atrás meu tio Edson berra "vira aê moleque!". Meu irmão não sabe beber até hoje.

Um dia meu avô Miguel me levou para dar uma volta no branco caminhão dele. Fiquei feliz em ver uma foto minha na boléia. Na foto eu estava em um parque, brincando no balanço. E tinha uma do meu irmão sorrindo no meio de árvores. Meu avô tem dezenas e dezenas de netos porque tem oito filhos homens. Mas os únicos netos na boléia eram eu e meu irmão. Na verdade nunca entendi essa preferência. Meu avô me colocava sentada em seus ombros e me chamava de rainha.

Quando somos crianças vemos as pessoas como caricaturas. Quando crescemos percebemos que as nuances são bem mais difíceis de entender. Meu avô era na verdade um homem rude e grosseiro que não media palavras para ofender as pessoas. Mas isso eu nunca conheci nele. Então a imagem que tenho na memória é mais "lúdica". Eu amo o avô que conhecia e não o que ele era de verdade. Miguel tinha mania de falar muitos palavrões e seu bordão favorito era "você é um bosta". Essa frase ele soltava sem pudores, na mesa do jantar, em frente à família. Minha avô tentava controlar dizendo "olha as crianças Miguel" mas a gente nem ligava. Aliás achávamos engraçado meu avô falar "bosta" com tanta vontade.