2 de jun de 2005

It might come off

Mulherada fazendo loucuras pela beleza, não é uma notícia nova. Desde esfregar esterco de filhote de bode nos cabelos lá na África Setentrional até tomar choques na bunda na clínica estética da esquina. Elas são doidas, insanas, absurdamente fora de si.

Nada é mais ridículo que propagandas de clínicas estéticas. Nada é mais absurdo do que tomar injeções na sua cara pra ficar "esticadinho". Tuchar pedaços de plástico pelo corpo. Colocar um aspirador de pó enfiado no seu abdomen e "sorver" toda a banha misturada com sangue e pele.


Mas chega a Dona Neide, no alto de seus 48 anos, meio caída, meio triste e até mal comida (ops, eu odeio esse termo, mas até que ilustra como ela pensa). Tá feia. Acabada. Sua vida social é vazia. O maridão, o "seô" Jair não se incomoda com isso, contanto que ela ainda faça a lasanha que ele tanto gosta. Mas Dona Neide está deprimida. Dona Neide liga a TV no meio da tarde. E qual não é a sua surpresa ao ver que na clínica estética Slim Beauty ela pode ficar uma tesudassa? Sim, com os equipamentos mais modernos da medicina estética russa, a Neide pode virar uma mulher perfeita! Sem celulites, estrias, rugas, peitos caídos, joanetes e cabelo ruim! Olha só as imagens de antes e depois! Nossa, que coisa linda! Ai Meu Deos! Dona Neide marca sua avaliação "sem compromisso".

E aí, a Neide virou uma nova mulher? Teria a Neide conhecido novamente o que é ser bela? Teria o seô Jair levado a Neidoca para a suíte Cleópatra no motel Sublime's?

Eu não sei, mas Dona Neide ficou muito contente em aparecer no anúncio de "antes" e "depois" da clínica Slim Beauty. Gravou até o comercial da TV. Recortou os jornais e revistas em que aparece toda maquiada e com o cabelón armado. Esse foi o maior presente da Neide. As pessoas reconhecerem que ela é uma nova mulher. E ela tem os anúncios para provar caso alguém duvide!

Para ser uma nova mulher, é preciso muito mais do que potes de 1Kg de gel redutor. Muito mais do que uma escova progressiva. E claro, vai além do botox. Mas creio que é ainda menos doloroso tomar choques constantes nos glúteos do que buscar o que realmente somos. Mulheres e suas neuras infindáveis.

Arrancar a cútila até dói às vezes, mas talvez seja uma das poucas dores que eu admito sofrer pra ficar mais "bonitinha". O resto, é só o que eu sou.