4 de jun de 2005

Toto, i think we are not in Kansas anymore!

Protejam suas filhinhas. Tá cada vez mais brabo. 14 anos. Eu estive lá e voltei. Mas valha me Deus, pra onde elas vão hoje em dia? Não que com 14 anos eu não pensasse em rapazes. E não tinha galho se eu tingisse meu cabelo. Mas certas coisas têm seu limite, mesmo com a modernidade. Lolitas loirinhas e seus nike air shocks estão se tornando uma praguinha. E seus celulares coloridos. E suas calças justinhas. E seus recém descobertos peitinhos. E vão em cima dos garotos, que de bobos não tem nada. E metem suas mãos em lugares que elas apenas mostravam pros pediatras há dois anos atrás. Não me choco com as modernidades. Muito menos com a devassidão. Deixem as meninas aproveitarem aquilo que conhecem há 15 minutos. Quem sou ou fui eu pra recriminar?
Mas estou ficando velha, e como todos os velhos chatos, a juventude atual me choca, me irrita e me incomoda. Me tornei aquilo que abominava quando tinha 14 anos. Uma velha chata que só pode sair pra dançar quando tem festa "flashback".

But the tide is high and i´m moving on.