6 de set de 2005

Très Beau


Très Beau. Ao lado uma foto de Alain Delon. Foi assim que em minha aulinha de francês eu aprendi como dizer que um sujeito era bonito na língua mais fresconilda da Terra. Mas péra aí... A beleza de Alain Delon está além do très beau. Não posso usar isso para distinguir todas as outras belezas masculinas deste mundinho. Alain Delon deve virar uma palavra só, um adjetivo máximo, para a beleza máxima de um homem, em francês.

Saindo desta divagação um tanto quanto cretina, vou direto ao ponto. Ontem estava eu, ali em casa, cansada e com um certo saudosismo no coração, assistindo um filme que Dona Mamis disse ser "da época dela" e que era "maravilhoso" e coisa e tal. Acendi meu cigarrinho e fui em frente.

L'Eclisse de Michelangelo Antonionni.
Traduzindo: O Eclipse.

Um moça muito bela e extremamente confusa: Monica Vitti no papel de Vittoria.
Um rapaz ambicioso e mulherengo: Alain Delon, no papel de Piero.
Vittoria termina o namoro de anos e anos com Riccardo (essas consoantes duplas, che stronzo!) e conhece Piero, um rapaz muito bonitón que trabalha na bolsa de valores. Piero, é muito materialista e Vittoria que já não bate muito bem da cabeça, fica receosa com o romance e com o amor que começa a sentir por ele...
Tá, nada demais, qualquer panaca entende isso.

Ma maledizione, catzo, ma che porqueria, io no capisco niente! Perchè? Perchè Dio mio?

Porque diabos o Antonionni coloca imagens perdidas e que, por mais que eu queira associar com o momento que se passa no filme, meu cérebro de jumento gabirú não capta? Qual a relação da mocinha com as paredes? Porquê ela fica se escorando nas paredes com cara de coitada? Porque cada cena demora 20 minutos onde ninguém nada e ficam olhando pro nada? Closes, em vasos e abajures? E o fim do filme? Que nhaca foi aquela? O que foi? Ahn? Pessoas saindo do ônibus, close na orelha de um velho, mulher olhando pela janela...close no poste de luz, música tétrica...e FINE? MAH QUÊ? Pra onde foi a Vittoria? O Piero? Cadê? O que aconteceu? Mãeeeeee, não entendiiii!

"Calma Sarah, qual foi o último diálogo dos dois?"(voz lógica de mamis)

"Piero diz pra Vittoria: quero te ver amanhã, e depois e depois, e o dia depois desse...Vittoria diz: e depois, e depois, e até o outro dia. E hoje à noite? Piero: Hoje, às 20h, no lugar de sempre!"

Aí segue uma sequência de Vittoria se escorando 500 vezes em corrimões de escadas e paredes com cara de "socorro acabou meu modess", até chegar na rua. E depois as várias imagens nonsense, e o close no postão de luz. FINE.


Todos queremos ser inteligentes, forçar uma sensibilidade para coisas, e mesmo que não entendamos lhufas do filme italiano nonsense, temos que forçar a barra, afinal, ele é o Antonionni, porra cacete, o Antonionni! Tenha respeito pela obra singela deste italiano fodésimo, e se você assitiu o filme e não captou a mensagem, problema seu sua ignorantezinha de merda!

Enquanto você, o maior imbecil da terra se encolhe no chão em posição fetal, por ser tão absolutamente incapaz de entender um filme do Antonionni, tente não chorar. Você não é tão burro assim. Só um pouco abaixo da média "cult". Conforme-se.

Mais um comentário mega útil de Dona Mamis:
"Oras Sarah, todos os filmes europeus dos anos 60 são assim! Ingmar Bergman! Você já assitiu? É assim! Não precisa ter o mesmo significado pra todo mundo."

Tá bom mãe. Agora eu entendo você. Mas mãe. você entendeu esse final?

"Não, mas o Alain Delon é lindo né?"

Aham.