21 de out de 2005

Judite

Tive pesadelos a noite toda. Deve ter sido o sanduíche de mortadela que eu comi antes de ir pra cama (hábito saudável). Pesadelo, pelo que interpreto, é um sonho perturbador. Não necessariamente é cheio de tripas purulentas ou coisas assim. É um sonho que incomoda, e continua incomodando depois que você acorda. Pois o que tive esta noite, creio que era um pesadelo. Não que me perturbasse, mas para qualquer um seria estranho para cacete.

Eu sonhei que andava por aí segurando uma cabeça decepada. É. Eu andava com uma cabeça decepada pela rua. Até dentro do carro, eu colocava a coisa no banco de passageiro. A cabeça não falava nada, nem sangrava ou era nojenta. Era só uma cabeça. Em dado momento eu levava a cabeça para fazer limpeza de pele. E sentada na sala de espera, eu me perguntava quando a cabeça começaria a deteriorar. "Se apodrecer, onde eu coloco?"

Agora, isso me fez lembrar de Judite. Quem é essa moça? Bom, Judite é talvez uma das primeiras heroínas "ativas" que apareceram por aí. Se o Antigo Testamento insiste em mostrar as moças "bonitas e provocantes" como safadas e traidoras, vide a Dalila e a Salomé (essa última pediu a cabeça de João Batista em uma bandeja de prata, tá vendo que cabeça é algo que mulher gosta de decepar), Judite é o oposto de tudo isso. Ela é uma viúva bonitona, bem vestida, mulherão. Seduz, teoricamente dá uma "forfada", e corta a cabeça de Holofernes, o general malvadão que tinha tomado sua cidade e sabotado o suprimento de água.


Teoricamente, as mulheres "boazinhas" são sem graça mas por serem tão boas, viram heroínas. As gostosas são más. Vingativas. Pois aí está, Judite, que ama suas jóias, também adora salvar o dia. Agora, o que toda essa história tem a ver com meu pesadelo, não faço a mínima idéia. Só acordei pensando na maledeta Judite.

Voltando ao meu sonho: vocês devem estar de perguntando "Sarah, mas de quem era a cabeça?". Não vou dizer nomes, para pessoas não acharem que eu quero decepá-las. Quanto à limpeza de pele, quando a cabeça voltou para minhas mãos, estava absolutamente livre de cravos e espinhas. Uma graça pra colocar como enfeite na mesinha de centro.

PS: A imagem que ilustra esse post é o quadro "Giuditta 2" de Gustav Klimt. Tive a oportunidade de ver essa obra ao vivo, com estes olhos que os vermes hão de se refestelar. É linda de morrer.