21 de nov de 2005

Coisas que eu sinto falta:
"Está na hora de você entrar na linha"
A grande diferença entre como as pessoas montam um ambiente de trabalho é aterradora. Estou acostumada com telefones tocando, gente rindo, correria, papéis bagunçados e risadas ao longo do dia. Escolhi uma profissão que me leva a gostar das coisas assim.
Mas quando você entra em um lugar onde ninguém fala nada, ficam em silêncio absoluto o dia todo, dá uma sensação ruim. Onde dentro do banheiro há uma barata morta virada com a barriga pra cima que parece estar ali há séculos e ninguém tira dali. Pois bem, aquela barata morta representava tudo o que o lugar mostrava pra mim. Uma baratona morta. Não aguentei dois dias. Nunca havia visto uma agência de publicidade que seguisse o mesmo ritmo de uma música do Ivan Lins. Não suporto Ivan Lins, baratas mortas e silêncio absoluto no local de trabalho. Ponto. Mas valeu, let's try it again, como já dizia New Kids On the Block.
Fui no Vegas sexta apreciar um "grandesssississimo" amigo meu discotecar. Não sabia que era a noite mega hyper gay. E mega lotada também. E mega difícil de andar. Pretendo voltar em uma noite normal, juro. Odeio muvucas. As bibas estavam em polvorosa e me queimaram 4 vezes seguidas com cigarro. Bibas bebuns caindo em cima de mim por todos os lados! Me fala se tem coisa pior que bicha velha, bombada, quimadíssima de sol e de regata? MeoDeos, mau gosto extremo. Só não é pior que bicha pobre com camisa de jérsey da Renner. Ugh... Bicha pobre é foda. Pra não dizer triste.
O mundo está sem All Star vermelho de cano longo. Tive uma verdadeira "side quest" neste sábado atrás de um dos últimos resquícios "clichês-intelectuais" que eu não havia adotado. E não achei. Você encontra com bolinha rosa, cano megaolítico, com salto alto (?) prateado, de pele de lobisomem da groenlândia, mas é incapaz de achar um simples cano alto vermelho número 34. Achei um cano curto. Comprei por revolta mesmo.
Tô com fome.