14 de mai de 2007

Gigantes do Ringue

Estava em um boteco esse fim de semana. Enquanto um magrelinho de gorro tocava músicas do Djavan para o povo se esbaldar com os espetinhos de contra filé e linguicinha apimentada, no telão, uma luta de vale-tudo embalava os espíritos dos boêmios. Eu lá, tentando desviar meus ouvidos daquela música de péssimo gosto, fiquei observando marmanjos se espancarem no ringue do Pride ( para os desavisados, o tal "orgulho" é nome do campeonato de vale-tudo).

Eu não entendo aquilo. Os caras ficam se esfregando no chão, xoxando a sunga suada na cara do outro, se abraçando, trocando suor, alguns socos, mais suor, puxões e torções, e de repente estão fazendo um 69, suor de novo, olho no olho, testa na testa, coxa na coxa, senta na cara do outro...


"Cê num tem noção da vista que eu tenho daqui. Esse seu legging amarelo é poderoso, gato!'

"Cara, cê sabe que eu te curto pra caramba"

"Você é meu ursinho, nhec nhec nhec, meu ursinho de chocolate, vou te encher de bitoquinhas"


"NOOOOOOOOOOOO!' Não vá para longe de mim!. Meu mundo caiu!"

Eu prefiro Hadoukens.

Notem que na altura, o Ryu bate NA COXA do Sagat. E que nem esse short roxo prejudica a macheza de um cara com uma cicatriz que corta o tronco inteiro e ainda usa um tapa-olho selvagem.


"Bléaaagrhghh, Bléagrhghgha"
Até a falta de comunicação lógica do Blanka é mais classuda do que a dos lutadores de Vale-Tudo.