2 de nov de 2008

Lá de onde eu venho

Sou caipira, nascida no fazendão de Ribeirão Preto. Já até tive uma galinha de estimação chamada Sunshine. Eu chamava e ela pulava no meu ombro, um luxo só. Pena que minha mãe deu a Sunshine embora. Nunca tive vergonha de admitir meu sotaque "porrrta". Tento segurar um pouco desde que vim morar em sampa, mas ele sempre volta e todo mundo já descobre. Vá lá, tem seu charme ser caipira. Tanto que meu namorado (um típico rapaz paulista nascido em Osasco) me chama de Inezita Barroso. Acho digno, adoro a Inezita vivia assistindo seus programas na Rede Cultura. De "verrrrdade".

E é com a Inezita que eu resumo um pouco daquilo que sou: uma caipira feliz que bebe até cair.



Ah Marvada Pinga!

Mas nem me venha com aquela cultura de Barretos, odeio "Barretão". Não suporto rodeio. Gosto de bicho, de fazenda, de pomar e de passarinho cantando. Porém, só por um tempo. Eu viveria em um sítio por dois dias e passaria o resto do tempo na cidade. Entre a roça e a civilização.