9 de out de 2007

De que lado você está

Semana passada o apresentador da Globo Luciano Huck foi surpreendido por assaltantes enquanto saía de um restaurante. Os criminosos queriam seu relógio. Cena comum aqui no Brasil, e que cada vez mais, tem se tornado suportável porque neste país se tem a mania de perdoar o "problema" do criminoso e não punir sua criminalidade.

O rapper paulista Férrez (Reginaldo Ferreira da Silva), do qual eu nunca ouvi falar, apareceu agora dizendo que o bandido que ameaçou a vida de Luciano por um relógio estava certo.

Vejamos suas palavras em carta enviada pelo rapper para o jornal O Dia: “O assaltado, que ficou com o que tinha de mais valioso, que é sua vida, e o ‘correria (forma como trata o assaltante), que ficou com o relógio. Não vejo motivo para reclamação, afinal, num mundo indefensável, até que o rolo foi justo para as duas partes”.

Férrez, veio do Capão Redondo e diz que na sua "quebrada" o relógio de Luciano Huck dá pra comprar várias casas. E te pergunto Férrez: E DAÍ? O cara trabalhou e comprou o relógio com o dinheiro dele. Não conheço o Luciano, mas mesmo que ele fosse o Zé das Couve, um cidadão tem o direito de COMPRAR o que quiaser, pelo preço que quiser. SE o cidadão está com vontade de entrar no Capão Redondo e dar casas de presente para o pessoal de lá, CONTINUA SENDO PROBLEMA DELE. E se ele comprar mil casas para pobres, ele também NUNCA MAIS poderá usar um relógio caro? É isso Férrez? Seu "mano" ali "das quebrada" é bandido e tinha que ser preso. Quem comete crimes Ferréz, não está "na correria". Está na bandidagem.

É fácil: justifica-se a criminalidade com o fato do sujeito ser pobre. E aqui no Brasil, estão perdoando bandidos ou dizendo que é correto roubar dos "ricos". Veja bem, não importa que esse rico nunca tenha feito nada contra lei, ou que ele pague seus impostos ou até mesmo que ele seja um profissional de sucesso. O que importa é que ele é rico, e ser rico aqui é o crime.

O preço do relógio de alguém não justifica a bandidagem. O que se faz aqui é achar que todo e qualquer ser humano que nasce pobre está fadado a ser bandido. Esse é o destino dele? "Pobre nasce na favela, na periferia e vê gente morrendo desde quando se entende por gente". "Quem cresce na criminalidade vira criminoso". Vamos fazer uma coisa? Vamos parar de achar que quem nasce pobre é diferente? Pobre é gente. Humano. Raciocina. Pensa. Pobre não é um computador programado para absorver o que inserem nele. Isso é basicamente duvidar da mínima capacidade humana que nos separa dos animais. Daquilo que nos coloca acima de toda cadeia evolucionária.

Se você pensa como o rapper Férrez, está tratando pobre como uma categoria abaixo da do ser humano. Está impondo que eles são suscetíveis e irracionais. Um miserável que vê tanta morte que acha normal morrer. Pera aí! Olhemos para os indivíduos como seres humanos antes de olhar para o meio que ele vive. O que está acontecendo é que o criminoso se esconde nessa "casca" de "vítima do sistema" para justificar suas ações criminosas. Na verdade, o criminoso sabe muito bem que pegar uma arma e ameaçar uma pessoa não é uma coisa certa. Ele justifica isso dizendo que é "vítima do sistema" porque alguém ensinou isso pra ele. E quem foi? Quem ensina a um bandido como usar sua miséria para justificar seus erros?

Pessoas como Férrez. Pessoas que acham que o mundo é "indefensável"(que não tem ou não mereça defesa). Que pobre pode roubar rico, porque todo mundo que tem dinheiro é automaticamente filho da puta.

Pra mim, certas coisas são bem mais simples. Bandido é quem comete crime, independente se ele é pobre, rico, classe média, mendigo, vesgo ou banguela. Se "mano" é bandido, se no assalto, a vítima pode "ficar viva" como prêmio, e Férrez (e muita gente por aí) achou que o rolo "foi justo", quero dizer a este rapper e a essas pessoas que elas duvidam demais da capacidade humana. Impõem que pobre tem o direito natural de roubar. E isso é muito, muito feio.

Pra mim, nenhum ser humano tem ( nem merece) o direito natural de roubar.

Já vieram me falar de "instinto de sobrevivência" o que seja, eu acho que essa coisa de "instinto" é animalesco. É selvagem. E quem nasce em Capão Redondo não é bicho, é gente, certo?