18 de ago de 2008

Eu culpo o Mario.

Três moleques idiotas da Geórgia, EUA, foram presos por atacarem carros usando coquetel molotov. Quando pegos, disseram que a culpa era do jogo GTA Liberty City. Os três moleques imbecis afirmaram que foi o jogo que ensinou a fazer isso.

Certo. Para constar, no GTA ninguém ensina a fazer coquetel molotov: esse tipo de explosivo é comprado em bibocas escondidas nos becos da cidade. Segundo: eu sei fazer coquetel molotov. Aprendi faz tempo, na escola. Oras, química básica e simples, não é uma bomba de hidrogênio é só uma garrafada de explosivos caseira. Se você prestar atenção nas aulas do colegial, aprende. Ou aprende agora, basta buscar na internet.

Eu sei fazer coquetel molotov desde os 14 anos. Mas eu já fiz? Não. Basicamente porque não sou criminosa. Já sabia que é crime explodir carros desde os 14 anos. Quando eu era adolescente meu cérebro nunca foi manipulado por jogos de videogame. Nem quando eu era criança - não comi cogumelos para crescer nem bati a cabeça em blocos esperando que pulassem moedas deles.

Justificar imbecilidade adolescente em games é fácil: todo moleque e 15 anos joga videogame. Todo moleque de 15 anos gosta de jogos sangrentos. Agora, não é todo moleque de 15 anos que joga bomba caseira em carros. Isso é coisa de menino burro. Para um menino desses, qualquer coisa justifica um ato violento. A desculpa tá na ponta da língua: foi o videogame, a culpa é da escola, a culpa é do meu pai, a culpa é do meu cachorro que comeu o dever de casa. Não podemos ver meninos de 15 anos como vasos ocos prontos para serem repletos que qualquer coisa que se enfie neles, principalmente quando isso é violento e criminoso. Eles sabem muito bem que não se deve incendiar carros. Querem amenizar a pena jogando a culpa em algo externo. Como um assassino que diz ter "uma doença mental" para receber pena menor.


Cena de Medal of Honor? Nah, só uma simples ação no morro de uma favela brasileira. Acontece todo dia. Eu culpo o tráfico. E você, culpa o Atari?

Em defesa do GTA e de qualquer jogo de videogame (mesmo os mais ruins), aviso aos juízes, pais e aos jornalistas sensacionalistas: videogame não ensina você a matar, queimar, trucidar e lançar raios pelos olhos. Videogame é diversão e pessoas normais sabem que ele não é nada mais do que isso. Se vocês temem que indivíduos façam coisas erradas por exposição à violência deviam dar um passeio na terra do algodão doce, onde pôneis alados brincam com e borboletas. Opa! Que pena... O pônei acabou de ser devorado por um leão faminto. As tripas do pequeno pônei voaram em cima das borboletas! Que horror!

Violência existe desde sempre. O que existe também é discernimento do que é certo e errado Algo inerente ao ser humano.

Agora dá licença que eu vou matar um traficante jamaicano no GTA - preciso ganhar dinheiro para comprar um lança-mísseis.

Depois vou fazer a janta e brincar com minha cachorrinha. Na vida real.