8 de jan de 2008

Onde o Diabo perdeu as cuecas

Há m ano e meio atrás estive em Curitiba pela primeira vez e relatei minhas experiências na Twin Peaks brasileira em um post carinhosamente chamado de "o fim do sistema digestivo". O post ficou esquecido no tempo e espaço até que alguém encontrou, e bem, resolveu divulgá-lo até no Orfuck, na comunidade "Eu amo Curitiba". De repente o meu blog encheu com curitibanos violentos, revoltados, fazendo um vuco-vuco, me chamando de vadia para baixo. Incrível como pessoas vem tomar as dores de uma cidade inteira em cima de um post do blog. 


Voltei para Curitiba outras vezes, a família do meu namorado mora ali, e olhem vocês, ele mesmo é um ex-cidadão que também não admira em nada a capital do Paraná  e até fugiu. Sempre achei a cidade ruim, tenho meus motivos e são todos meus, continuo achando. Aí me aparecem aqui dizendo que eu sou pobre, nordestina (hã? o que tem a ver?), burra e bem, uma vadia. Gente de muita classe, sem dúvida.

Não sei se Curitiba merece tanto êxtase, mas enfim, queridos curitibanos, não sou eu quem vai destituir a cidade de vocês. Quem gosta, que fique satisfeito. Aliás conheço uma porção de curitibanos, gente finíssima que eu gosto e admiro muito. Mas isso não faz nem fará eu achar a cidade bacana. Eu gosto das pessoas, independente do lugar de onde elas vêm.

Eu andei muito em Curitiba na última vez que fui, até alugamos um carro. Passei em quase toda a cidade, de bairros chiques a bairros pobres, centro, pontos turisticos, shoppings, e toda a pataquada. Quis ter uma idéia melhor do lugar. A cidade pra mim, continua chata.

Meu namorado até tentou me animar quando estive lá. Me levou na doceria mais famosa de Curitiba, onde fazem lindos doces espanhóis. Eu fiquei contente e a torta que comi estava muito boa, tirei fotos do lugar, que é antigo, todo em madeira. Minha tristeza foi ao chegar no caixa para pagar a conta e ver pequeninas baratas passeando pelo balcão sobre as rosquinhas açucaradas. Desisti.

Nasci em uma cidade do interior paulista chamada Ribeirão Preto, que acho feia, caipira, quente e muito sem graça. Mas conheço gente que acha linda. E daí? Tenho grandes amigos lá, minha família, cresci naquela terra, vivi muita história e mesmo assim, a cidade aos meus olhos, é feia. Pergunto novamente: E daí? Eu saí de lá e fui viver em São Paulo. Agora, eu acho São Paulo maravilhosa e perfeita? Não. Mas esta cidade tem algo que me encanta e estou feliz. Não preciso de mais nada.

Não gostar de um lugar não faz de mim burra muito menos vadia. Julgamentos de baixo calão, aliás, baseados em pura falta de respeito à individualidade.


Ainda bem que eu sei que nem todos curitibanos são assim. 
Tanto que meu namorado veio de lá. Agradeço que ele tenha achado a cidade tão ruim quanto eu, senão eu nunca o teria conhecido.

Close da Fonte da Memória, mais conhecida como "O Cavalo Vomitão". A água da fonte jorra da boca dele, é nojento. Eu tenho uma foto em que estou sentada ao lado desta linda obra.